Movimenta Caxias: a Baixada Fluminense se organizando exemplarmente durante a pandemia

De Marinete Merss (Urca): O Movimenta Caxias organiza ação de cidadania e combate a fome em 14 municípios, sendo 8 da baixada fluminense e em 30 bairros da cidade de Duque de Caxias. Já foram entregues mais de 181 toneladas de cestas básicas, 99 toneladas de kits de limpeza e 81 toneladas de produtos orgânicos. Aproximadamente 46 mil máscaras de pano reutilizáveis, 45,9 litros de água e 7.904 tickets-cartão alimentação, além de 1.000 kits de higiene pessoal para idosos, foram distribuídos. São mais de 88 mil pessoas atingidas e 22.074 famílias atendidas.

Essa ação é possível porque mais de 80 parceiros contribuem na arrecadação, organização e distribuição das doações. Se os números da prestação de contas se destacam, a diversidade encontrada nos perfis dos parceiros é ainda mais impressionante: movimento da juventude, da luta antirracista, da luta das mulheres, da luta pela moradia, sindical, cultural,estudantil, ecológica, do campo e da cidade, da segurança alimentar, da educação popular, da saúde, da favela, dos LGBTQI+, empresas privadas e entidades religiosas juntando católicos, evangélicos e religião de matriz africana. Participam também artistas, servidores públicos e movimentos ligados à Arte.

O Movimenta Caxias atua nos territórios através das lideranças comunitárias, defende o protagonismo e age em Rede, valorizando o Coletivo e a participação social. Durante o período da Pandemia provocada pelo Covid-19, quando muitas famílias em função do isolamento social estão sem trabalho e vivem em condições de vulnerabilidade, é a ação do Movimenta Caxias que está garantindo comida e kits de higiene e segurança à população. Juntamente com o emergencial vem a luta por direito às informações, o debate sobre uma economia solidária, sobre o papel das políticas públicas.

Com a pandemia surgiu a necessidade do autocuidado, principalmente com o sistema imunológico que garante proteção ao corpo contra infecções e uma maneira de garantir essa imunidade é uma boa alimentação. Assim, o Movimenta Caxias fornece às famílias cestas com produtos orgânicos e tem como parceiros o MPA- Movimento dos Pequenos Agricultores e o Coletivo Terra, do Assentamento Terra Prometida que funciona no bairro Amapá em Duque de Caxias. Essas parcerias garantem o fortalecimento da agricultura orgânica que  que cultiva alimentos saudáveis e livres de agrotóxicos. O MPA e o Coletivo Terra são coletivos que fornecem produtos para a Rede Ecológica. O Coletivo Terra, de maio a julho forneceu 80 toneladas de produtos saudáveis, foram 10 mil e 400 cestas agroecológicas. São famílias de trabalhadores assentados que agradecem a parceria com o Movimenta Caxias e resumem o sentimento neste momento: “Gratidão a cada voluntário e liderança comunitária que fez com que o Movimenta Caxias, conseguisse movimentar a periferia da cidade e do campo, fazendo chegar esperança, alimento saudável, poesia e reconhecimento aos territórios.

https://www.facebook.com/MovimentaCaxias/

Rede Ecológica concorre a prêmio junto ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro

Sandra Kokudai inscreveu em 3/8/20 um projeto pela Rede Ecológica, junto ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo. Seguem as informações a respeito.

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU/RJ) lança o “Concurso de Ideias e Práticas: Cidade, Moradia e Saúde”.

Com a pandemia da Covid-19, pessoas e territórios vulneráveis das cidades ficaram ainda mais ameaçados. As precauções para evitar a disseminação da doença envolvem distanciamento social, ventilação dos ambientes e medidas de higiene, como lavar as mãos frequentemente. O que parece simples para alguns, não está disponível para uma parcela da população. Pesquisa da Casa Fluminense mostra que cerca de 300 mil domicílios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro têm mais de três pessoas dividindo um único quarto. Outro levantamento, do Instituto Trata Brasil, aponta que cerca de 35 milhões de brasileiros não têm acesso a água.

Se por um lado o novo coronavírus escancarou nossas desigualdades, por outro os impactos na saúde e na qualidade de vida de habitações precárias são permanentes e bem conhecidos. É nesse contexto, que o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU/RJ) lança o “Concurso de Ideias e Práticas: Cidade, Moradia e Saúde”. O objetivo é promover a Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social (Athis) como estratégia para o enfrentamento à pandemia, considerando abordagens que ampliem o acesso aos direitos sociais de cidadania e, ainda, a potência da efetiva participação da população no cenário de transformação e garantia desses direitos.

A premiação é, ainda, uma forma de valorizar as organizações que desenvolvem trabalhos relacionados a defesa do Direito à Moradia.  Além disso, os trabalhos vencedores deverão ser disponibilizados para que possam ser implementados, replicados ou multiplicados por agentes governamentais ou da sociedade civil.

A associada e responsável pela finanças Sandra Kokudai (núcleo Santa) é arquiteta e urbanista e inscreveu neste concurso, a campanha “Campo, favela, baixada e a rua de mão dadas contra o Corona e a Fome” desenvolvida pela Rede Ecológica desde março deste ano,destacando que as ações da campanha se relacionam com a reflexão a respeito de que modelo de cidade nós queremos para viver e da importância de se debater a relação campo e cidade para garantir a soberania alimentar e territorial. Também é uma forma de chamar a atenção para a ausência de políticas sociais e assessoria técnica nos territórios atendidos pela campanha, que sofrem ameaças de despejo em plena pandemia, vivenciam a ausência de saneamento, falta de abastecimento de água e moradias inadequadas. 

Agradecemos pelas cartas de apoio da AS-PTA, MST-RJ e AMAR e a todos que colaboraram!  

Vamos torcer por nossa vitória! Em anexo colocamos a proposta. O valor do prêmio, caso a seja contemplada, será de R$ 10.000, que se voltará para apoiar nossos jovens comunicadores, ações de agricultura urbana nos territórios e um apoio à produção do MST.  CONCURSO CAU-RJ

Vejam também o link do edital: https://www.caurj.gov.br/concursocidademoradiasaude/

Ameaça de Despejo na Cidade: o caso da comunidade Santa Luzia (Articulação das Vargens)

No final do mês de julho houve uma manifestação popular contra a constante ameaça de despejo que estão sofrendo as famílias da comunidade Santa Luzia, visitadas por funcionários da prefeitura que ficam insistindo neste fato. A comunidade saiu em defesa de suas casas resistindo a todas as formas de pressão da prefeitura ainda mais em tempos de pandemia. Já anteriormente quando os funcionários lhes entregaram um formulário de cadastro relativo a suas casas, que daria direito a auxílio moradia, ninguém aceitou preencher o cadastro.