relato da oficina de consumo consciente que aconteceu em 15 de fevereiro de 2014,

Nesta edição da carta semanal estamos apresentando o relato da oficina de consumo consciente que aconteceu em 15 de fevereiro de 2014, na Freguesia , como primeira ação do Circuito do Consumo Consciente do Estado do Rio de Janeiro. Além deste relato encaminhamos o ppt utilizado e também o conjunto de iniciativas possíveis que consumidores desenvolvem ou podem desenvolver para uma produção e consumo mais consciente. Estão em anexo.

Quando enviamos este material completo, é no sentido de animar e encorajar a vocês a replicar esta dinâmica, possibilitando que mais gente tenha acesso ás informações e trocas que este tipo de encontro enseja. Como sua estrutura é relativamente simples, um professor em sala de aula, uma pessoa com seu grupo de amigos, uma reunião de pais pode ter elementos importantes para uma maior conscientização. Cada um adapta à sua realidade. O importante é que se discuta melhor a situação do campo, se observe a lógica do agronegócio em contraste com a cadeia agroecológica. e também que saídas estão a nossa mão, para alterar a correlação de forças muito desigual entre as duas propostas.

Como esta oficina foi uma primeira etapa para a visita aos agricultores de Guapimirim, estão em anexo referencias iniciais de pesquisas sobre as áreas visitadas. é um material que vai receber mais contribuições acadêmicas, certamente vai crescer. A visita a feira agroecológica de Teresópolis e aos produtores de Guapimirim, pode ser antecedida de uma leitura da tese de mestrado de Fabricio Omelczuk Walter, defendida em 2012, junto a UFRRJ: ” Entre o trabalho e a assistencia social” Trajetórias e redes sociais de pessoas em situação de probreza e vulnerabilidade em Guapimirim (encontra-se no google clicando Afojo, nome da associação de agricultores). Importante as p. 31-33 e 100-120 , especifica sobre a Afojo, que visitaremos .

Quanto a visita, ela acontecerá no dia 22/2/2014. Haverá 2 vans, uma saindo da Freguesia , da praça profa. Camisão, onde acontece a feira agroecológica e a outra d o restaurante Amarelinho da Glória . Tem uma vaga na van que sai d o Centro e 4 na Freguesia. Quem se interessar, entrar em contato com lea_nagel@ yahoo.com . A pessoa deverá encaminhar seu numero de documento de identidade. e orgão . Deverá levar um documento na viagem.
O horário é 6:30 de modo que as 7:00 rigorosamente se saia do local de encontro.

A programação:
1)Saída às 7:00 da Freguesia/ 7:00 do Centro
Por isto estamos solicitando que as pessoas se programem para chegar as 6:30. Sairemos impreterivelmente as 7:00.
2)Chegada na feira de Teresópolis às 9:30. Como o almoço está previsto para às 14:30, sugerimos que comam algo na feira nas barracas ou participem da oficina
3)Participação na conversa com a Articulação de Agroecologia de Teresópolis sobre o Sistema Participativo de Garantia, organização e estratégias da associação para comercialização e divulgação
Este momento será bem focado para as trocas de experiências entre agricultores.
Haverá como outras opções a oficina de alimentação viva (contribuição de R$ 5,00) ou bate-papo livre nas barracas, com os agricultores da feira
4)12:30 saída para Guapimirim
5)13:00 – visita ao cafezal da Oreni e do Domingos: precisamos antecipar a visita ao cafezal pela dificuldade das mulheres em finalizar o almoço, visto que elas fazem a feira de Teresópolis. Então nesta visita ao cafezal tomaremos um cafezinho e comeremos uma batata cenoura cozida enquanto o almoço será finalizado.
6) 14:30 – almoço na Associação do FOJO
7) 17h retorno ao Rio.
Obs. Os materiais estão em anexo.Circuito do Consumo Consciente – material da oficina – iniciativas possiveis dos consumidores do Estado do Rio de Janeir1
um abraço da equipe da Rede Ecológica

 Oficina de consumo consciente fev 2014 Circuito do consumo consciente Material de leitura Circuito do Consumo Consciente – material da oficina – iniciativas possiveis dos consumidores do Estado do Rio de Janeir1

Relato sobre o mutirão de fevereiro 2014

Segue o relato do mutirão feito por Talita Castro (Santa):
“Compareceram: Yana Moysés (Botafogo), Daniel Nasser (Botafogo), Karen Ebrenz Klingerman (Urca), Rosangela Laranja (Niteroi), Lourenço Moreira (Santa), Clarice Soares Carvalhosa (Niteroi), Andrea Canto (Santa), Alexandre Lazzari (Vila Isabel), Juliana Malerba (Santa), Pedro Cooper (Santa), Miriam (Santa).
Não compareceram: Maíra Lewin (Botafogo), Julia Araujo Freitas (Santa), Elisa Solinho (Niteroi) e Ludmila Marinho (Niteroi).
Andamento: tudo demorou muito. E acho que foram vários os motivos: – Nós não tivemos a dinâmica necessária para organizar as pessoas e engajá-las na produtividade; – as voluntárias não se prontificaram a ajudar os voluntários a carregar as coisas para o terraço. Isso só ocorreu quando elas perderam a paciência em esperar e eu não deixei elas começarem a fazer a contagem dos produtos para não termos mais confusão; – das 10 pessoas, 4 estavam indo pela primeira vez no mutirão; – tínhamos apenas 2 pessoas inscritas para o segundo turno, então não houve troca de pessoas pra dar aquela reanimada, todos estavam bem cansados.


A Mariana acha que podíamos ter começado a contagem, mesmo que sem todos os produtos no terraço. Claro que checando para ver se aquele determinado tipo de produto está todo no terraço. Isso teria acelerado o processo. Eu concordo com ela que até certo ponto isso acelera o processo, mas como as chances disso trazer problemas para o final do mutirão é grande, acho que no fim das contas, subir tudo para contar depois facilita o trabalho mais difícil, que é fazer com que os erros sejam mínimos.
Limpeza: O espaço do estoque estava BEM empoeirado, mas bem organizado.
Material: tem bastante coisa impressa com os nomes dos núcleos, mas como os arquivos estão desatualizados, muito acaba não sendo usado.
Deixamos lá fita de empacotamento, um saco grande de papel higiênico e dois rolos de saco plástico. Neste mutirão usamos os sacos para pesar as cebolas.
Produtos: as rapaduras foram um problema. Uma parte delas estava na geladeira e não nos demos conta. De qualquer forma, elas ficaram muito meladas, não tinha como distribuir. Essas rapaduras geraram muita confusão, primeiro porque ao imprimir a planilha não nos demos conta que havia informação oculta. Segundo que a diferença entre elas é mínima. Por exemplo: saco de 50 rapaduras com coco em sacos com 3 unidades, ou em saco com 5 unidades… Enfim, acho que este tipo de produto não tem tanta demanda e acaba gerando muita confusão. Poderíamos ter apenas um tipo de cada que facilitaria muito.
Tivemos vários vidros quebrados. Alguns no transporte, outros já na casa do João. Estes produtos foram discriminados nas notas que foram enviadas para a Brígida.”
Rosangela completou este relato com o seguinte comentário:”A falta do pessoal para o 2º turno fez com que eu e Clarice, que tínhamos que sair às 18h, fôssemos ficando, e ficando com pena de deixar o grupo com tanto trabalho e atendendo à Marina que sempre pedia então vcs fazem só mais isso… até que chegou a um ponto em que o horário não nos permitia mais ficar, pois eu ainda tinha compromisso naquela noite e o corpo também já não aguentava mais.
Foi muito ruim mesmo não ter quase ninguém para nos render e esses poucos não terem ido.”

infografico da Aspta sobre produção/consumo

A Aspta está encaminhando seu infografico, que está em anexo, sobre produção e consumo . Segue o link no facebook:
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=785546051460117&set=a.429465310401528.117611.417149208299805&type=1&theater