Histórico

Começou como um sonho…

Sebastião se une a Sebastiana: um caso de amor

Sebastião não é uma pessoa, não. É uma avenida – a avenida São Sebastião, na Urca, Rio de Janeiro, que este fim de semana na prática esteve próxima de Sebastiana, agricultora do assentamento rural de Santo Inácio, em Trajano de Moraes, uma pequena cidade de alguns poucos milhares de habitantes no norte fluminense, a 4 horas do Rio de Janeiro. O assentamento reúne aproximadamente 54 famílias, cada uma com um lote de terra, no qual plantam buscando um sustento, evitando o êxodo para a cidade.

Como Sebastião se uniu a Sebastiana? Porque Beth, integrante de uma pesquisa sobre assentamentos rurais no estado do Rio de Janeiro, tem ido sistematicamente a Santo Inácio. Ao conviver mais de perto com a comunidade, vínculos são estabelecidos com os que ali vivem, plantam, lutam por sua sobrevivência com dignidade e dedicação. Em especial Sebastiana a tocou pela coragem, perseverança e amor à terra. Num lote pequeno – o menor do assentamento – cultiva aipim, tangerina, laranja campista, batata doce, palmito, etc., tudo sem agrotóxico, com a maior garra e alegria.

O que logo ficou gritante na sua realidade era a dificuldade de escoamento da produção. Não há transporte estruturado para o assentamento. Sebastiana trabalha muitas horas na lavoura – com gosto – cuida de seus netos, da casa, de seu marido, – luta com muita dificuldade, e na hora de colher os frutos fica difícil. Isto acaba acarretando doenças, fruto da tensão com a sobrevivência.

Beth mora no Rio, na avenida São Sebastião, a mais antiga rua da cidade do Rio de Janeiro. Foi ali que os portugueses quando chegaram na praia do atual forte São João foram fazendo ao longo da pedra uma trilha… Provavelmente índios anteriormente circulavam por ali. Posteriormente tornou-se uma rua, pomposamente chamada Avenida São Sebastião. Beth é amiga de Miriam, que também mora nesta rua. Ambas são associadas da Coonatura, e acreditam muito na importância do alimento sem agrotóxicos. Miriam é educadora ambiental, e fica pensando de como a consciência e as ações ambientais podem ser aumentadas, numa sociedade do descartável e da indiferença.

Algumas idéias para ambas são claras: a cidade e o campo precisam se aproximar. O morador urbano tem que entender melhor a peleja e a importância das pessoas que estão no campo, viabilizando nossa nutrição. A alimentação é a base de nossas vidas, define imperceptivelmente quem somos. Cada vez mais a alimentação é colocada distante da terra, da água, do sol, da mão humana cuidando, roçando, plantando, semeando. O alimento tem sido cada vez mais apresentado como algo descartável, artificial, industrializado, desvitalizado.

O contato com o campo ajuda ao consumidor urbano entender melhor o ciclo do alimento. Todos os dias alimentos são consumidos. Esta microdecisão é política. Em relação a si, a grupos próximos e distantes, e finalmente, em relação ao planeta terra. Apoiar camponeses que se mantém fiéis ao campo, que estão plantando sem agrotóxicos é estar cuidando da terra, das pessoas e de si mesmo. Mas o consumidor chegar à esta conclusão não é fácil, envolve um processo psicossocial de conscientização, e de vivências que o façam perceber o que está em jogo. Tudo convida a que corramos ao megasupermercado e liquidemos o assunto da maneira mais rápida e asséptica, dentro de um cotidiano frenético, no qual nos vemos como massa, na qual o individuo não vai fazer diferença.

Beth e Miriam foram pensando juntas: porque não ir até Trajano no feriado, passear, visitar a Sebastiana, levar sua colheita de tangerinas que está em final de safra e experimentar nossa rua como compradora e consumidora? Quem sabe a médio prazo poderemos organizar uma pequena rede de rua, que poderá receber alimentos sem agrotóxicos?

As coisas foram acontecendo sem planejamento.Partimos com nossos filhos, num lindo dia de junho, com muita disposição. Percebemos no caminho a Reserva Ecológica de Poço das Antas, que está viabilizando a sobrevivência do mico-leão dourado. Não pudemos visitá-la porque é necessária a marcação de visita, aberta a grupos escolares, pesquisadores, etc.
Visitamos o lago de Juturnaíba, desconhecido, vimos a preparação da rua em Silva Jardim por sua comunidade com sal colorido.

Chegando em Trajano, ficamos encantados com a beleza da paisagem, a graça da cidadezinha, a conversa com Sebastiana e companheiros, o assentamento. Foi uma visita maravilhosa, apesar de rápida: fomos num dia e voltamos no outro. O mais importante foi ver o contentamento de Sebastiana com nosso gesto.

Quando chegamos de volta, telefonamos para pessoas da rua, que já conhecíamos, porque Miriam já é moradora antiga. As pessoas se interessaram, e rapidamente as tangerinas, aipim e palmito foram sendo absorvidos. A idéia de uma rede alimentar para produtos sem agrotóxicos foi bem recebida. Neste primeiro momento Mônica, Terezinha, Jaime, Ana, Graça, Teresa, Fabio, Lélia e outros foram concretamente se unindo a Sebastiana. A avenida São Sebastião se uniu a Sebastiana.

Quem sabe este não pode ser um caminho de educação ambiental? Um canto organizado da cidade recebendo e arcando com o transporte, sem intermediários, do que o campo tem de melhor para oferecer. O campo como espaço de visita, familiarizando pessoas da cidade com sua realidade. Deste passeio pode fazer parte uma visita às belezas locais, reunião com os assentados, na qual eles tenham a oportunidade de contar sua história e dividir suas questões. Participar em um momento de colheita, ou de alguma atividade que estejam desenvolvendo, transportar seus produtos pode promover, revisão de padrões de comportamento cristalizadas, colocando em questão velhos hábitos relativos ao pronto, novo, ”fácil”, a mão.

Este tipo de proposta poderia ser considerado um ecoturismo solidário, mais uma forma de preservar a Mata Atlântica, prevenir o êxodo rural, levando informações para a população rural que a ajudarão na sua caminhada. Está em jogo uma troca – e um gesto de amor.

O que fizemos nestes 7 anos…

ATIVIDADES E EVENTOS  DA REDE ECOLÓGICA

  • primeira compra coletiva da Rede Ecológica, realizada na Nau 21/10/01
  • apoio dos consumidores através de assinaturas à denuncia de um projeto de construção de 7 casas na av. São Sebastião – 22 de outubro de 2001
  • Texto Miriam Langenbach e Elizabeth Linhares: Sebastião se reúne a Sebastiana, in Educação e Ecologias,Desenhando pistas para o terceiro milênio – abril 2002
  • 1ª. Visita de agroturismo aos produtores orgânicos de Janela das Andorinhas, Nova Friburgo – 19 e 20 de outubro de 2002
  • Oficina de Consumo Ético no Encontro Solidário promovido pelo Fórum de Cooperativismo Popular e a Rede Estadual de Socioeconomia Solidária do Estado do RJ – Museu da República/RJ –  30/11/2002 realizada por Flávia Soares e Miriam Langenbach.
  • Oficina culinária de reaproveitamento alimentar com Gertrudes Silva – março de 2003
  • Oficina para capacitação em Socioeconomia solidária com o tema Consumo ético e redes de colaboração solidária promovida pela Agenda Social Rio e Gestão Comunitária Ibase – Tijuca Country Club/RJ – 15/03/2003 – realizada por Flávia Soares e Miriam Langenbach.
  • I Seminário Internacional de Economia Solidária, Colégio Assunção, Rio de Janeiro – abril de 2003
  • Oficinas de reaproveitamento brinquedos (4) junto a Comunidade de Janela das Andorinhas – Nova Friburgo  (período de maio/junho/agosto 2003), coordenada por Dora Ignatichi.
  • Apresentação oral “ Campo e cidade se dão as mãos: uma experiência solidária no Rio de Janeiro”, I Seminário Internacional de Turismo sustentável 12-15 maio Fortaleza/Ceará Miriam Langenbach e Pauline Grosso
  • Seminário de Turismo Rural, São José do Vale do Rio Preto, 22/5/2003.  Pauline Grosso apresentou o trabalho “Um outro turismo é possível, o turismo solidário e sustentável”.
  • 2ª. Visita de agroturismo aos produtores orgânicos de São José do Vale do Rio Preto – junho 2003
  • Ida ao acampamento Sebastião Lan para os festejos de 6 anos – junho de 2003
  • Seminário de Agricultura Orgânica, Petrópolis – participação de Miriam Langenbach – junho de 2003
  • I Seminário de Economia Solidária FGV,Rio de Janeiro junho de 2003 – Pauline Grosso e Miriam Langenbach organizaram café solidário orgânico e o material do seminário (cadernos ecológicos, canetas e banner com reaproveitamento)
  • Ecosustentando idéias, Oficina de cadernos ecológicos e feira de produtos orgânicos – Escola Edem – Botafogo, 24/6/03 – organizada por Maira Teles Inicio do núcleo de Botafogo
  • Ida a Casimiro de Abreu convite da Secretaria de Agricultura para o Dia do Trabalhador Rural, participação de Miriam Langenbach – julho de 2003.
  • Oficina de reaproveitamento de objetos, Escola Nau, Urca, Rio de Janeiro, coordenada por Dora Ignatichi – setembro de 2003
  • Oficina de confecção de Pão artesanal – 27/09/2003 – Colégio Monte Alegre – Santa Teresa – coordenado por Francine Peres
  • 3ª Visita de agroturismo da Rede Ecológica aos produtores orgânicos do Brejal – outubro 2003
  • Encontro Nacional de instituições que trabalham com comercialização/consumo de produtos agroecológicos no Brasil – 01 e 02/12/2003 – organizado por Pauline Grosso do Programa de Economia Solidária da Embaixada da França no Brasil.
  • Palestra no Seminário de Educação para o Consumo Responsável – Relações e Interações com o Comércio Ético e Solidário e a Economia Solidária – PUC/SP – 2003 – participação de Flavia Soares, Miriam Langenbach e Pauline Grosso.
  • 4ª. Visita de agroturismo ao Brejal com alunos da 6ª. Serie da Escola Edem – Botafogo – novembro 2003 – organizada por Rose Prazeres.
  • Levantamento inicial de entidades que trabalham com a comercialização ou consumo de produtos agroecológicos no Brasil  novembro de 2003 Pauline Grosso e Daniel Tygel
  • Oficina Bem Te Vi de Bonecos – 06/12/2003 – AEN (Associação de Educação de Niterói) – realizada por Maria das Dores Dalpiaz.
  • Participação na Feira Mostra de Economia Solidária promovida pelas Arteiras, dezembro 2003, escola Oga Mitá, Tijuca, Rio de Janeiro – participação de Idenir de Ciles
  • Seminário sobre viabilidade econômica da Rede Ecológica sob orientação de Ricardo Costa – Ong Capina, 22/1/2004, Colégio Assunção, Santa Teresa.
  • Participação em programa semanal especifico voltado para a Rede Ecológica na radio comnitária Grande Tijuca (2004-2005)
  • Participação na I Feira de Economia Solidária, Uerj, 2004
  • Apresentação por Flávia Soares da experiência “Rede Ecológica:  campo e cidade dando as mãos” no 1er Colloque International  sur les contrats locaux entre agriculteurs et consommateurs –  26 e 27 de fevereiro de 2004, Aubagne, França. Financiamento pelos organizadores do encontro
  • Apresentação do projeto da Rede Ecológica no II Encontro da Rede Brasileira de Economia Solidária, Guarapari, Espírito Santo, junho 2004 – por Pauline Grosso
  • I Encontro entre produtores e consumidores da Rede Ecológica – 5 de junho de 2004 –Centro  Ananda Marga – Copacabana – RJ   (participação da Escola Nau pela manhã, como parte do seu projeto Meio Ambiente, oferecendo biscoitos de multimistura, preparados pelas crianças, assim como um chá).
  • Apresentação da Rede Ecológica no Encontro Nacional de Estudantes de Biologia, Centro Cultural Laurinda Santos Lobo, Santa Teresa, RJ julho de 2004.
  • Realização de 6 oficinas de cadernos ecológicos para pais e alunos na Nau – coordenadas por Maira Teles e Cláudio Cunha (Programa de Assistência ao Surdo), agosto de 2004
  • Apresentação do trabalho (Flávia Soares e Miriam Langenbach) – “O consumo como um ato político e solidário: a experiência da Rede Ecológica – RJ” – I Encontro Nacional de Antropologia do Consumo – UFF – setembro de 2004 – Rio de Janeiro.
  • Participação na Biofach 2004 – Miriam Langenbach – setembro 2004
  • Confraternização pelo 3o. aniversário da Rede Ecológica, com lançamento do vídeo “O caminho das águas” Direção: Cecília Lang – Escola Nau, Urca, Rio de janeiro outubro de 2004
  • Oficina de cadernos ecológicos – outubro 2004 – Escola Nau – coordenada por Moema Quintanilha.
  • Oficina do Pão – coordenada por Miriam Silva (Arteiras) e Gertrudes Silva, na Escola Oga Mitá, Tijuca – novembro de 2004
  • Oficina de cadernos ecológicos – novembro 2004 – Escola Jardim Michaelis – coordenada por Joana Freitas
  • Encontro Anual de Avaliação e Confraternização da Associação dos Produtores Orgânicos de São José do Vale do Rio Preto (Horta Orgânica) 19/12/2004 – participação de Miriam Langenbach e Rose Prazeres.
  • Ida a França como integrante da delegação brasileira para conhecer a comercialização solidária francesa – participação de Miriam Langenbach –  01 a 12 de dezembro de 2004 – com o apoio do Programa de Economia Solidária da Embaixada da França/Amar (Acteurs dans le monde agricole et rurale).
  • Almoço comunitário no espaço Arte no Verde, Santa Teresa, RJ – dezembro de 2004 – coordenado por Lygia Fuentes.
  • Apresentação da tese de doutorado de Elizabeth Linhares na Escola Oga Mitá em 23/4/05 “Entre escravos e anjos: condições e significados da infância em assentamento rural”.
  • Debate após a exibição do vídeo “Supersize me” – Sesc Tijuca– por Miriam Langenbach, Pauline Grosso e Renato Perillo – 30/4/2005
  • Oficina de cadernos ecológicos no assentamento Terra Livre em Itatiaia, agosto de 2005 – coordenada por Marina Dain e Juliana Bueno.
  • II Encontro entre produtores e consumidores da Rede Ecológica – 25 de setembro de 2005 – Local:  Casa da Gente – Santa Teresa – RJ
  • Apresentação do Trabalho (Miriam Langenbach e Flávia Soares) – “Reflexão de um movimento de consumidores a partir de dentro:  o caso da Rede Ecológica – RJ” – II Encontro de Antropologia do Consumo – UFF –setembro de 2005 – Rio de Janeiro.
  • 5ª. Visita de agroturismo, participando da inauguração do restaurante natural dos assentados Daniel e Rosangela Oliveira, do assentamento Mutirão da Paz, em Pinheiral outubro de 2005 – organizada por Daniela Leite e Lygia Fuentes.
  • Primeira versão de estatuto parcialmente aprovada em assembléia 19/nov de 2005
  • Inicio do site da Rede Ecológica www.redeecologica.org – janeiro de 2006
  • Participação no IV Fórum Social Mundial – Caracas – Miriam Langenbach e Solange Bastos – janeiro de 2006 – apresentação do vídeo “Carmencita descobre a Rede Ecológica” – direção e produção de Solange Bastos
  • Impressões sobre o Fórum Social Mundial – Casa da Gente, Santa Teresa, Rio de Janeiro -fevereiro de 2006 – participação de Solange Bastos.
  • Participação no Fórum Mundial de Educação, Nova Iguaçu, 23-26/3/2006 – exposição de produtos na Feira de economia solidária – participação de Efigenia Sandes, Idenir de Ciles e Joana Freitas.  E realização de Oficina Socioeconomia, consumo e trocas coordenada por Terezinha de Jesus Pimenta (em parceria com o Pacs)
  • Participação através do apoio ao abaixo-assinado eletrônico do Greenpeace durante a COP 8, Curitiba, março 2006
  • Comemoração do dia do consumidor com lançamento do vídeo “Carmencita descobre a Rede Ecológica”, Cedac, Rio de Janeiro – 15/3/2006.
  • Participação na Feira de Economia Solidária do V Congresso Iberoamericano de Educação Ambiental, Joinville, 4 a 8 de abril de 2006  – Miriam Langenbach e Das Dores Dalpiaz
  • Participação no Seminário Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário – organizado pelo  Instituto FACES do Brasil e OPFCJS – Organizações de Produtores (as ) Familiares  no Comércio Justo e Solidário – 05 a 07 de  abril de 2006, em São Paulo – participação de Flavia Soares
  • Chamada sobre a Rede Ecológica no Rio Show, Jornal O Globo, (ao redor de 20 de abril de 2006)
  • Participação na audiência publica para votação da lei estadual de economia solidária – abril 2006
  • Chat sobre a Rede Ecológica no site dos Mobilizadores do Coep – 4/5/06 –  participação de Alexandre Real, Flavia Soares e Miriam Langenbach.
  • Participação no Seminário Estadual preparatório para o II Encontro Nacional de Agroecologia – 09 e 10 de maio 2006, Nova Iguaçu – Mostra de saberes e sabores – lanche agroecológico e solidário – participação de Miriam Langenbach e Valéria da Vinha.
  • Participação como animadores do tema Rede Ecológica no Fórum eletrônico dos Mobilizadores do COEP (Flavia Soares, Alexandre Real e Miriam Langenbach ) – 9 a 12 de maio de 2006
  • Encontro Microregional de Economia Solidária – 27 e 28/5/06 – Miriam Langenbach como delegada
  • Encontro Estadual de Economia Solidária preparatório para a I Conferencia Nacional de Economia Solidária  – Miriam Langenbach como delegada
  • II Encontro Nacional de Agroecologia – 02 a 6 de junho de 2006 – Miriam Langenbach como delegada.
  • I Conferencia nacional de Economia Solidária, Brasília – 27 a 30 junho de 2006 – participação de  Pauline Grosso (em substituição)
  • Proposta de criação da categoria associado para a Rede Ecológica 26/6/2006
  • Participação em feira permanente de produtos orgânicos, Clube dos funcionários do Cenpes, Petrobrás – Cidade Universitária – Ilha do Fundão – RJ, a partir de 13/7/06
  • Participação no II Fórum de Desenvolvimento Rural Sustentável, Nova Iguaçu –  28/7/2006 Miriam Langenbach
  • Relato sobre as iniciativas de consumo apresentadas no II Encontro Nacional de Agroecologia julho 2006
  • Participação no Fórum de Cooperativismo Popular do Rio de Janeiro – Miriam Langenbach/Pauline Grosso/Paulo Mascarin desde 2003
  • projeto encaminhado ao Petrobras Fome Zero,em parceria com o assentamento Sebastião Lan e Rede Ecológica, elaborado e coordenado por  Elizabeth Linhares  19/7/2006
  • Inicio do núcleo de Laranjeiras 14 de agosto de 2006
  • Participação  no II Encontro Estadual de Agroecologia, Casimiro de Abreu – Joana Freitas e Idenir de Ciles
  • Mudança da central de encomendas para o CCS (Centro de Cultura Social) – Vila Isabel em dezembro de 2006
  • III encontro entre produtores e consumidores da Rede Ecológica, no Centro de Cultura Social  17 e 18 de setembro de 2006
  • Participação no evento Comunidades Criativas para estilos de vida sustentáveis promovido pelo Laboratório de Tecnologia e desenvolvimento (LTDS)/Coope – representação Miriam Langenbach 18 de abril de 2007
  • Vera Davet e Valéria Vinha como representantes da Rede Ecológica na Conferencia Municiapl de Segurança alimentar em 16 de abril de 2007
  • Reunião entre produtores e consumidores da zona oeste, em Seropédica 30 de abril de 2007
  • Oficina de reaproveitamento abordando o tema consumo e práticas possíveis, na PUC  durante a XIII Semana do Meio Ambiente da PUC, promovida pelo Nima 1 de junho de 2007  – Moema Quintanilha e Miriam Langenbach
  • ECOLOGIA EM AÇÃO 1 com o Tema:  Monocultura do eucalipto- ameaça de deserto verde para o Estado do Rio de Janeiro apresentação do vídeo Rede Alerta contra o deserto verde Debatedor: Sergio Ricardo Promoção: ASPTA, Restaurante Metamorfose e Rede Ecológica 14 /6/2007
  • 6ª visita de agroturismo: ida a Seropédica, ao assentamento Sol da Manhã com almoço e visita aos sítios de Ana, Eugenia e João Pimenta 17 de junho 2007
  • Ecologia em ação 2 : Coordenação Marcio Mendonça  Tema: Agricultura urbana, 18 de julho de 2007
  • Participação na finalização do quiosque de Seropédica – julho de 2007 – Leonardo Nascimento
  • Oficina de clulinária orgânica realizada por Márcia Ribeiro em 19/8/2007
  • Ecologia em ação 3 – Tema: Os transgênicos  Debatedor: Gabriel Fernandes 22/8/2007
  • Surgimento do núcleo da Lapa – agosto de 2007
  • Oficina de devolução dos resultados da pesquisa sobre a Rede Ecológica desenvolvida pelo Ibase/Faces – agosto de 2007
  • A sede do núcleo do Recreio passa a ser a escola Vira-Virou
  • Participação na reunião ampliada da Articulação Estadual de Agroecologia – Campos em setembro de 2007 – representação de Márcia Ribeiro
  • Ecologia em ação 4 Tema:Água:direito humano ou mercadoria? Debatedor Ruy Nogueira – 24 de setembro de 2007
  • Rede Ecológica entra na agenda anual confeccionada pelo Ibase para 2008 – setembro de 2007
  • Artigo de Leonardo Nascimento e Miriam Langenbach no informativo do Pacs
  • Participação no Seminário Nacional de Redes e Cadeias produtivas da economia solidária – 25 e 26 de outubro, Mesquita
  • Participação do II Encontro de Experiências de Agricultura e Saúde na Cidade, em Campo grande – 8 e 9 de novembro de 2007
  • Seminário da região sudeste relativo aos casos estudados de comércio justo – rede Ecológica um dos casos – participação de Jacqueline Ronald, Miriam Langenbach, Paulo Aguinaga, Vânia Policarpo – 22 e23 de novembro de 2007
  • Seminário Nacional de Comércio Justo
  • Levantamento de preços de supermercados –
  • Carta da Rede, elaborada por Georgeton Nogueira em outubro de 2007
  • Programa de rádio nacional da Economia Solidária (março de  2006 entrevistada: Miriam Langenbach
  • Participação da Rede Ecológica no curso de Design do prof. Manzini no CCS  em 2007
  • Palestra sobre alimentos sem agrotóxicos e a Rede Ecológica na escola Oga Mitá palestrantes: Marcio Mendonça e Mauro Guimarães
  • Participação na Feira de saúde promovida pelo Ministério da fazenda
  • Reunião no quiosque de orgânicos em Seropédica para apresentar a proposta de cestas fixas aos produtores do assentamento Sol da Manha e outros 8/3 /2008
  • Reunião na sede do núcleo do Bosque da Freguesia para discutir cestas fixas 13/4 /2008
  • Semana de Arte e Cultura do restaurante Erva Doce – Seropédica Tema:  Rede Ecológica e consumo consciente abril 2008
  • Entrevista de Polita Gonçalves sobre consumo em 1/10/07 as 17:00 no canal Futura
  • Participação na Feira de Qualidade no Colégio São Vicente de Paulo, 31/5 /2008 Marcos, Miriam Langenbach e Rubenilton Freitas
  • Participação de Carolina Duarte representando a Rede Ecológica na TV Brasil, programa Atitude.com (2/6/08)
  • Defesa de tese de mestrado em que a Rede Ecológica é um dos casos estudados (2/6/08) – Marcos Lins Langenbach, Programa de Pós-graduação da engenharia de produção, Coppe/ UFRJ
  • Participação no Liceu Franco Brasileiro (7/6/08) – Marcos, Rose Prazeres, Rubenilton Freitas
  • Mesa Redonda na  XIV Semana de Meio Ambiente da PUC-Rio, Tema: Educação, consumo e desequilíbrio ambiental – Aprendendo a cuidar de mim, de nós e da Terra.  (05 de junho de 2008) – participação: Miriam Langenbach.
  • Globo Repórter (10/6/08)