Núcleos

Para distribuição dos produtos, a Rede Ecológica se organiza em núcleos.

Os núcleos funcionam em algumas cidades do estado do Rio de Janeiro, distribuídos da seguinte forma:

Rio de Janeiro (município):

Demais municípios

As entregas ocorrem sempre aos sábados de manhã. O funcionamento de cada núcleo varia, podendo ser semanal, quinzenal ou mensal.

 


Campo Grande

Local: Feira Agroecológica de Campo Grande

End: Av. Marechal Dantas Barreto, 95 – Campo Grande – funciona dentro do espaço da EMATER – próximo do estacionamento do West Shopping, ao lado da escola Santa Bárbara

Entrega mensal em um sábado de 8h às 13h, exclusivamente de produtos secos, pois os frescos são oferecidos pelos produtores locais da feira

O Núcleo Campo Grande surgiu a partir da iniciativa da Rede Carioca de Agricultura Urbana, em agosto de 2011, como um subgrupo do antigo núcleo Recreio. Com a extinção deste núcleo, passou a ser um grupo associado ao núcleo de Vargem Grande. E a partir de 2013, tornou-se um núcleo da Rede Ecológica.

O surgimento deste núcleo dentro da Rede Ecológica veio a estreitar os laços dentro da Feira Agroecológica de Campo Grande, ampliando a interação entre os consumidores, produtores e amigos que já se encontravam de alguma forma neste espaço. Lá já eram realizados encontros como o Café da Roça com Prosa e o “Junta Pratos”, com participação de membros do projeto Terrapia, com partilha de receitas de alimento vivo. A essas atividades foram acrescentados trabalhos de sensibilização e diálogos temáticos com os consumidores, como a aplicação da Pegada Ambiental, oficina de compostagem, oficina de plantio de mudas, etc. O núcleo tem representação na comissão gestora da feira e as ações citadas são realizadas nos eventos de arte, cultura e agroecologia que acontecem no local.

Em abril de 2016 começamos a desenvolver novos encontros de planejamento estratégico na Feira Agroecológica de Campo Grande, com participação de membros da rede ecológica.
A feira agora faz parte da Rede ComSol e com um projeto apoiado pela Rede Marista, estes encontros possibilitaram reunir produtores, consumidores, parceiros da feira para revisitar a sua identidade e história e organizar estratégias de ação para os próximos 5 anos.
Uma das ações deliberada pelo grupo na reunião da comissão gestora de março e reiterada neste planejamento trata do uso de sacola plástica nas barracas da feira, um desafio antigo e urgente, que ainda persistia.
O lançamento da campanha Xô Saco Plástico foi realizado no evento da feira, no dia 18 de junho, para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente e também do Agricultor Familiar. A proposta da campanha foi uma proposta inspirada nas ações que a rede ecológica já desenvolvia na feira da Freguesia.
Cada barraca ganhou um banner, para funcionar como um “selo”, onde está indicado e demarcado: Aqui não usamos sacola plástica”.

Como parte das ações sistemáticas da campanha, temos membros do núcleo Campo Grande em algumas atividades estratégicas, dentre elas: *Conversas espontâneas nas próprias barracas envolvendo também os produtores, passo essencial para a manutenção da campanha, e que deverá permanecer no decorrer dos dias de seu funcionamento. Espaços para ouvirmos dúvidas, tentarmos fazer adaptações etc. * Estímulo ao uso de outras embalagens para os produtos adquiridos na feira, como caixa de papelão, empréstimo ou compra da ecobag da feira, etc. *Atividades educativas nos encontros de arte, cultura e agroecologia como parte do planejamento da feira, como rodas de conversas com os consumidores sobre a campanha, as consequências do uso do plástico e ainda sobre a ação da rede ecológica como movimento social.

Campo Grande também tem se integrado nas ações, planejamento e avaliação do Programa Campo e Cidade se dando as mãos, que inclui as vivências rurais, oficinas de formação com possíveis novos grupos de consumidores, diagnóstico com alguns agricultores na Região Metropolitana (entrevistas, pesquisa bibliográfica) e acompanhamento dos produtores.

 


Duque de Caxias

Local: Catedral de Santo Antônio – Av. Governador Leonel de Moura Brizola, 1861 – Centro, Duque de Caxias – RJ, 25035-008

Entrega mensal aos sábados (geralmente o primeiro do mês)

O Núcleo Caxias surgiu como uma incubação da Rede Ecológica, através do Programa Campo e Cidade se dando as mãos, em outubro de 2017. A proposta do grupo é de integrar moradores da cidade com produtores regionais e criar uma rede de amparo que amplie o consumo e a produção de orgânicos na Baixada Fluminense.

O núcleo se guia pelo consumo mensal de secos fornecidos pela Rede Ecológica, mas consome exclusivamente os alimentos frescos e  agroecológicos fornecidos pelos produtores de Duque de Caxias.

Dessa forma, busca-se reforçar a rede local de produção de orgânicos em prol de autonomia e de fortalecimento dessa pauta na região. O  privilégio disso é grande já que podemos estreitar laços com esses agricultores, conhecer suas demandas e incentivá-los a levar alimentação de qualidade por preço acessível.

Desde a sua criação, o coletivo experimentou diversas propostas de atuação e, hoje, todos os moradores e produtores locais que compõem o grupo realizam tarefas que permitem que ele continue funcionando e se ampliando. Um dos grandes objetivos atuais é agregar novos associados para alcançar a autonomia completa em alguns anos e ampliar o número de produtores associados para toda a região da Baixada Fluminense.


Grajaú

Local: Casa Anitcha – Rua Sá Viana, 205 – Grajaú (15 min da Praça Edmundo Rego)

Entrega quinzenal aos sábados de 9h às 11h

Este núcleo surgiu na Tijuca em 2003, a partir da demanda de um grupo popular (Arteiras). Funcionava no colégio Oga Mitá, tendo vivido um período de suspensão. Quando foi retomado, decidiu-se pela maior conveniência de se transferir para o Centro de Cultura Social, em Vila Isabel, um espaço social que desenvolve atividades junto a grupos comunitários e movimentos sociais. Em 2017, o núcleo foi transferido para a Casa Anitcha e funciona no mesmo espaço que são realizados os mutirões.

 


Humaitá

Local: Rua Viúva Lacerda, 233, Humaitá (Casa Jai)

Entrega semanal, aos sábados de manhã

O atual núcleo Botafogo é resultado da união entre os núcleos Humaitá e Botafogo. Historicamente, o núcleo Humaitá teve origem em 2005 e já funcionou no espaço do Jardim Escola Michaelis (até 2014), na Academia de Dança Gisele Alvim (até agosto de 2016) e no Instituto Social (até dezembro de 2018). Ao longo dos anos, em determinado momento, o núcleo Humaitá ficou grande demais e deu origem ao núcleo Botafogo, que até 2018 funcionou no Hostel Vila Carioca. Em janeiro de 2019, os núcleos fundiram-se novamente e passaram a funcionar no Espaço de Educação Infantil Casa Casulo, e, a partir de setembro de 2019, na Casa Jai.


Niterói

Local: Colégio Estadual Aurelino Leal

End.: Rua Pres. Pedreira, 79 Ingá (em frente ao Museu do Ingá)

Entrega quinzenal, aos sábados de 9h às 12h.

O núcleo Niterói surgiu em 2008 e desde então organiza uma Feira de Orgânicos, na Semana dos orgânicos, um momento de divulgação da proposta da Rede e de aproximação com os produtores da região. O núcleo desenvolveu o blog “Ecos da Rede”, através da iniciativa voluntária de Rosângela Laranja, com muitas receitas integrando sugestões de cestantes. A partir de 2014 o núcleo passou a ser semanal, contando com um grande número de associados, porém houve uma queda de número de associados, em 2016, ele se tornou quinzenal.

 


Nova Iguaçu

Local: CENFOR -Rua Dom Adriano Hipólito, 8, Moquetá, Nova Iguaçu.

A entrega de FRESCOS é feita quinzenalmente e o fornecimento é de produtores locais.

O núcleo de Nova Iguaçu se iniciou em 2014, a partir de oficinas de sensibilização promovidas pelo projeto Alimentos saudáveis nos mercados locais, coordenado pela ASP-TA, patrocinado pela Petrobras. Desde o início, fazia parte da proposta, um apoio aos produtores locais, focando principalmente a Feira da Roça, que ocorre às quartas-feiras no centro de Nova Iguaçu.

Ainda no âmbito do projeto, aconteceram visitas aos produtores da feira com a participação de representante do núcleo. Além disso, houve durante alguns meses a presença da Rede Ecológica em uma barraca na feira, aplicando questionários aos consumidores, conversando sobre os riscos dos agrotóxicos, etc.

Com o intuito de estimular iniciativas de consumo agroecológico na região da baixada, a Rede Ecológica criou o primeiro curso de capacitação para formação de novos grupos de compras agroecológicas, realizado no CENFOR. Como pode ser visto na Área de Comunicação, Educação e Formação.

A partir de agosto de 2015 houve a primeira entrega de frescos, junto aos secos, oferecida pelos produtores da Feira da Roça. Atualmente as entregas são quinzenais sendo os produtos completados com produtos de agricultores próximos.


 São João de Meriti

Local CAC – Centro de Atividades Comunitárias de São João de Meriti

Rua da Prata 797, Coelho da Rocha São João de Meriti. Cep: 25530 -040.

Primeiro sábado do mês das 10h às 12h.

O Núcleo Meriti surge após uma aproximação do CAC com a Rede Ecológica, buscando apoio, em 2016, nas suas ações de Educação Ambiental. Nesta época, a Rede estava investindo esforços na formação de núcleos na Baixada, mais especificamente no Núcleo Caxias.

Nesse período, a Rede realizou algumas ações do Projeto Campo Cidade de Mãos Dadas no CAC. Em 2018, após algumas reuniões, conseguimos dar início ao núcleo ainda com poucos cestantes. Desses poucos nem todos ficaram, mas outros chegaram…

O núcleo hoje, apesar de pequeno, vem consolidando-se em um espaço de luta por uma vida melhor para todos ao pensar nas dificuldades de uma discussão ampla sobre uma alimentação saudável na Baixada Fluminense e, ao tentar estratégias para superação dessas dificuldades.

Importante registrar que a parceria da Rede Ecológica com o CAC, que começou em 2016, se consolidou em um trabalho de Educação Ambiental junto à Escola do CAC com diversas ações que envolvem os temas: Alimentação, Compostagem, Reaproveitamento e Lixo. Assim, um importante passo, é percebermos que estamos nos envolvendo ,cada dia mais, com as ações e os ideais da Rede.


Santa Teresa

Local: Escola Monteiro de Carvalho – Rua Almirante Alexandrino, 2495 – Santa Teresa

Entrega semanal aos sábados: 11:30hs às 12:30hs, dia de secos e frescos; 10:30hs às 11:30hs, dia só de frescos.

O núcleo Santa Teresa se iniciou em 2002, sendo que na época os produtos eram trazidos por uma Kombi que os entregava em vários pontos do bairro. Sua “sede” passou pela escolinha Casa Monte Alegre, por uma casa ocupada onde um grupo desenvolvia trabalhos culturais, pela Igreja Anglicana do bairro, pelo Centro Cultural Casa do Barão, pelo Museu Casa de Benjamin Constant e atualmente é acolhido pela Escola Monteiro de Carvalho.

É um núcleo que sofreu muitas transformações, em grande parte devido às mudanças do local das entregas. É atualmente um grupo bem organizado e integrado com uma ótima autogestão e dinâmica de entregas.


Urca

Local: NAU (Núcleo de Artes da Urca) – Av. São Sebastião, 117

Entrega semanal aos sábados de 8:30h às 11:30h

Este foi o primeiro núcleo da Rede Ecológica. Desde seu início, em 2001, funciona no NAU – Núcleo de Arte da Urca ,uma escola fiel parceira. Lá, antigamente, também aconteciam os mutirões anteriores às entregas de secos e a maioria das assembleias da Rede. Nos últimos anos o núcleo tem ficado dinâmico, com uma maioria de associados muito engajados. 

Clique aqui para saber como começou a Rede Ecológica


Vargem Grande

Local: Sítio Arte da Terra – Rua Santa América, 350 – Vargem Grande (Ponto de referência: a rua começa quase em frente ao Rio Water Planet)

Entrega mensal em um sábado de 9h às 12h, de secos e frescos

A Rede Carioca de Agricultura Urbana (CAU), em 2010/2011, formada por integrantes moradores de Campo Grande e Vargem Grade, iniciou uma iteração com a Rede Ecológica realizando uma compra coletiva de cinco (5) itens. Logo depois se interessaram em comprar os produtos secos uma vez por mês. Neste período inicial, o núcleo Recreio era referência que fornecia. Com o término deste núcleo, tanto Campo Grande quanto Vargem Grande se organizaram para se tornarem núcleos regulares da Rede Ecológica.

Também atuam na Feira da Roça Agroecologia e Cultura que funciona no Largo de Vargem Grande, aos domingos. Fazem a defesa política da agricultura local através da criação da Articulação Plano Popular das Vargens e da parceria cotidiana com a Agrovargem. Através da Articulação Plano Popular das Vargens, o núcleo de Vargem Grande também integra a Teia de Solidariedade da Zona Oeste do Rio de Janeiro que lançou campanha para enfrentar as consequências da Pandemia (Covid-19), visando garantir o atendimento emergencial às famílias em situação de instabilidade alimentar com a distribuição de cestas solidárias constituídas por produtos da agricultura local e agroecológica.