Núcleos

Para distribuição dos produtos, a Rede Ecológica se organiza em núcleos.

Os núcleos funcionam em algumas cidades do estado do Rio de Janeiro, distribuídos da seguinte forma:

Rio de Janeiro (município):

Demais municípios

Na região serrana (Itaipava) existe ainda a Sumá – Rede de Consumo Responsável, originada a partir do antigo núcleo “Itaipava” da Rede Ecológica.

As entregas ocorrem sempre aos sábados de manhã. O funcionamento de cada núcleo varia, podendo ser semanal, quinzenal ou mensal.

 


Campo Grande

Local: Feira Agroecológica de Campo Grande

End: Av. Marechal Dantas Barreto, 95 – Campo Grande – funciona dentro do espaço da EMATER – próximo do estacionamento do West Shopping, ao lado da escola Santa Bárbara

Entrega mensal em um sábado de 8h às 13h, exclusivamente de produtos secos, pois os frescos são oferecidos pelos produtores locais da feira

O Núcleo Campo Grande surgiu a partir da iniciativa da Rede Carioca de Agricultura Urbana, em agosto de 2011, como um subgrupo do antigo núcleo Recreio. Com a extinção deste núcleo, passou a ser um grupo associado ao núcleo de Vargem Grande. E a partir de 2013, tornou-se um núcleo da Rede Ecológica.

O surgimento deste núcleo dentro da Rede Ecológica veio a estreitar os laços dentro da Feira Agroecológica de Campo Grande, ampliando a interação entre os consumidores, produtores e amigos que já se encontravam de alguma forma neste espaço. Lá já eram realizados encontros como o Café da Roça com Prosa e o “Junta Pratos”, com participação de membros do projeto Terrapia, com partilha de receitas de alimento vivo. A essas atividades foram acrescentados trabalhos de sensibilização e diálogos temáticos com os consumidores, como a aplicação da Pegada Ambiental, oficina de compostagem, oficina de plantio de mudas, etc. O núcleo tem representação na comissão gestora da feira e as ações citadas são realizadas nos eventos de arte, cultura e agroecologia que acontecem no local.

Em abril de 2016 começamos a desenvolver novos encontros de planejamento estratégico na Feira Agroecológica de Campo Grande, com participação de membros da rede ecológica.
A feira agora faz parte da Rede ComSol e com um projeto apoiado pela Rede Marista, estes encontros possibilitaram reunir produtores, consumidores, parceiros da feira para revisitar a sua identidade e história e organizar estratégias de ação para os próximos 5 anos.
Uma das ações deliberada pelo grupo na reunião da comissão gestora de março e reiterada neste planejamento trata do uso de sacola plástica nas barracas da feira, um desafio antigo e urgente, que ainda persistia.
O lançamento da campanha Xô Saco Plástico foi realizado no evento da feira, no dia 18 de junho, para celebrar o Dia Mundial do Meio Ambiente e também do Agricultor Familiar. A proposta da campanha foi uma proposta inspirada nas ações que a rede ecológica já desenvolvia na feira da Freguesia.
Cada barraca ganhou um banner, para funcionar como um “selo”, onde está indicado e demarcado: Aqui não usamos sacola plástica”.

Como parte das ações sistemáticas da campanha, temos membros do núcleo Campo Grande em algumas atividades estratégicas, dentre elas: *Conversas espontâneas nas próprias barracas envolvendo também os produtores, passo essencial para a manutenção da campanha, e que deverá permanecer no decorrer dos dias de seu funcionamento. Espaços para ouvirmos dúvidas, tentarmos fazer adaptações etc. * Estímulo ao uso de outras embalagens para os produtos adquiridos na feira, como caixa de papelão, empréstimo ou compra da ecobag da feira, etc. *Atividades educativas nos encontros de arte, cultura e agroecologia como parte do planejamento da feira, como rodas de conversas com os consumidores sobre a campanha, as consequências do uso do plástico e ainda sobre a ação da rede ecológica como movimento social.

Campo Grande também tem se integrado nas ações, planejamento e avaliação do Programa Campo e Cidade se dando as mãos, que inclui as vivências rurais, oficinas de formação com possíveis novos grupos de consumidores, diagnóstico com alguns agricultores na Região Metropolitana (entrevistas, pesquisa bibliográfica) e acompanhamento dos produtores.

 


Duque de Caxias

 

Local: Rua Correia Méier, 491, Casa 3 – Jardim 25 de Agosto – Duque de Caxias

(muro de hera ao lado da farmácia Confiança, na calçada do hospital Mario Lioni)

 

Entrega mensal em um domingo (geralmente o primeiro do mês)

O primeiro coletivo que surgiu a partir do Programa Campo e Cidade se dando as mãos foi em Caxias. Ele faz parte da Rede Ecológica como uma espécie de incubação, que pretende o levar à autonomia completa em alguns anos. O objetivo do programa é apoiar o surgimento de novos grupos de consumo independentes na região, interconectados em rede com grupos da Baixada.
O coletivo surgiu a partir de outubro de 2017 com apoio de experências prévias, mas houve um trabalho anterior intenso, de contactar pessoas e instituições, levantar demanda através de questionários e conversas, e chegar a uma proposta diferenciada: iniciar com uma cesta básica agroecológica de secos, que teria alguns pouco produtos da região, que aumentariam no decorrer do tempo. Os demais seriam fornecidos pela Rede Ecológica. Aproveitariam essa entrega para organizar o consumo de frescos com produtores locais.
A preocupação em atender grupos populares é muito presente nesta proposta, que fez contato com produtores da região para ser abastecida diretamente.
Caxias já tem uma história de esforço de criação de um coletivo de consumo, que aconteceu em anos recentes, mas não conseguiu ir à frente. A ideia é que em 2018 novos coletivos de consumo surjam na região, animados pela experiência de Caxias. Boa parte da Baixada é rural e o objetivo é incentivar nossos agricultores e levar alimentação de qualidade, por um preço acessível, aos locais com grande índice de pobreza e fome, como acontece no município.
O núcleo funciona em um espaço em parceria com a Terra Viva.

Grajaú

Local: Casa Anitcha – Rua Sá Viana, 205 – Grajaú (15 min da Praça Edmundo Rego)

Entrega quinzenal aos sábados de 9h às 11h

Este núcleo surgiu na Tijuca em 2003, a partir da demanda de um grupo popular (Arteiras). Funcionava no colégio Oga Mitá, tendo vivido um período de suspensão. Quando foi retomado, decidiu-se pela maior conveniência de se transferir para o Centro de Cultura Social, em Vila Isabel, um espaço social que desenvolve atividades junto a grupos comunitários e movimentos sociais. Em 2017, o núcleo foi transferido para a Casa Anitcha e funciona no mesmo espaço que são realizados os mutirões.

Neste núcleo temos a associação da Ong Verdejar Socioambiental, instituição atuante no movimento agroecológico da Serra da Misericórdia, Zona Norte do Rio.

 


Humaitá

Local: Rua Humaitá, 170 (Instituto Social), entrada pela Rua Miguel Pereira

Entrega semanal, aos sábados de 9h às 11h30m

O núcleo Humaitá formou-se em 2005, tendo funcionado até 2014 no espaço do Jardim Escola Michaelis e, posteriormente, até agosto de 2016 na Academia de Dança Gisele Alvim. Em agosto de 2016 inicia seu funcionamento no Instituto Social, pensionato de freiras.

Em certo momento, o núcleo ficou tão grande que foi aberto um novo núcleo, o de Botafogo, para acolher mais cestantes dessa região.

A responsável pelas entregas do núcleo Humaitá, Joana Brunes, extremamente dedicada, é também quem confecciona os produtos de limpeza da Rede.


Niterói

NIterói

Local: Colégio Estadual Aurelino Leal

Rua Pres. Pedreira, 79 Ingá (em frente ao Museu do Ingá)

Entrega semanal aos sábados de 9h às 12h

O núcleo Niterói surgiu em 2008, sendo o primeiro núcleo que conseguiu a adesão de uma escola pública estadual – o Colégio Estadual Aurelino Leal. Foi o único núcleo que desenvolveu uma proposta formal junto à escola, de modo a que esta cessão de espaço se tornasse uma troca.

Em 2010 o núcleo organizou uma feira de orgânicos, durante a Semana dos orgânicos, que foi um momento muito interessante de divulgação da proposta da Rede e de aproximação com os produtores da região.

Rosangela Laranja, à frente do núcleo, desenvolveu o blog “Ecos da Rede”, com muitas receitas integrando sugestões de cestantes.

A partir de 2014 o núcleo passou a ser semanal, contando com um grande número de associados.


Nova Iguaçu

Local: CENFOR -Rua Dom Adriano Hipólito, 8, Moquetá, Nova Iguaçu.

Entrega mensal em um sábado de 9h às 12h, exclusivamente de produtos secos, pois os frescos são oferecidos pelos produtores locais da feira da roça.

O núcleo de Nova Iguaçu se iniciou em 2014, a partir de oficinas de sensibilização promovidas pelo projeto Alimentos saudáveis nos mercados locais, coordenado pela ASPTA, patrocinado pela Petrobras. Desde o início, fazia parte da proposta, um apoio aos produtores locais, focando principalmente a Feira da Roça, que ocorre às quartas-feiras no centro de Nova Iguaçu.

A partir de agosto de 2015 houve a primeira entrega de frescos, junto aos secos, oferecida pelos produtores da Feira da Roça, processo que está sendo completado com produtos de agricultores próximos.

Ainda no âmbito do projeto, aconteceram visitas aos produtores da feira com a participação de representante do núcleo. Além disso, houve durante alguns meses a presença da Rede Ecológica em uma barraca na feira, aplicando questionários aos consumidores, conversando sobre os riscos dos agrotóxicos, etc.

Com o intuito de estimular iniciativas de consumo agroecológico na região da baixada, a Rede Ecológica criou o primeiro curso de capacitação para formação de novos grupos de compras agroecológicas, realizado no CENFOR. Como pode ser visto na Área de Comunicação, Educação e Formação.

 


Santa Teresa

Local: Escola Monteiro de Carvalho – Rua Almirante Alexandrino, 2495 – Santa Teresa

Entrega semanal aos sábados: 11:30hs às 12:30hs, dia de secos e frescos; 10:30hs às 11:30hs, dia só de frescos.

O núcleo Santa Teresa se iniciou em 2002, sendo que na época os produtos eram trazidos por uma Kombi que os entregava em vários pontos do bairro. Sua “sede” passou pela escolinha Casa Monte Alegre, por uma casa ocupada onde um grupo desenvolvia trabalhos culturais, pela Igreja Anglicana do bairro, pelo Centro Cultural Casa do Barão, pelo Museu Casa de Benjamin Constant e atualmente é acolhido pela Escola Monteiro de Carvalho.

É um núcleo que sofreu muitas transformações, em grande parte devido às mudanças do local das entregas. É atualmente um grupo bem organizado e integrado com uma ótima autogestão e dinâmica de entregas.


Urca

Urca

Local: NAU (Núcleo de Artes da Urca) – Av. São Sebastião, 117

Entrega semanal aos sábados de 8:30h às 11:30h

Este foi o primeiro núcleo da Rede Ecológica, e desde seu início, em 2001, funciona no NAU – Núcleo de Arte da Urca ,uma escola fiel parceira. Lá, antigamente, também aconteciam os mutirões anteriores às entregas de secos e a maioria das assembléias da Rede.

Nos ultimos anos o nucleo tem ficado dinâmico, com uma maioria de associados muito engajados. 


Vargem Grande

Local: Sítio Arte da Terra – Rua Santa América, 350 – Vargem Grande (Ponto de referência: a rua começa quase em frente ao Rio Water Planet)

Entrega mensal em um sábado de 9h às 12h, de secos e frescos.

O núcleo Vargem Grande da Rede Ecológica foi criado em unidade com Campo Grande. Isto se deu a partir de reuniões da Rede Carioca de Agricultura Urbana em 2010/2011. Integrantes da Rede Cau optaram por uma compra coletiva com poucos itens: arroz, fubá, café, feijão e farinha. Este dado é importante pois, a Roda de Mulheres da Rede Cau optou em fins de 2017 por retomar essa possibilidade de alcançar mais pessoas através desta “cesta básica agroecológica”.

Após algumas compras Vargem Grande ficou alguns meses sem atuação. Com a saída da Rede Ecológica do então núcleo Recreio, em outubro de 2012, o grupo que integrava a Rede Cau e ex cestantes do Recreio reassumiram a liderança do consumo responsável no bairro. A primeira entrega do Núcleo Vargem Grande foi realizada em 10 de novembro de 2012.

Desde então o núcleo passou por altos e baixos tendo sempre contado com pessoas de referência no movimento do comércio justo. Vale ressaltar o papel da Brígida, Daniela Reis, Monica Chiffoleau, Raja Pimenta. Mesmo com um fluxo de entradas e saídas grandes o núcleo foi impondo sua ética de militância. Há um grupo pequeno mas sólido que sustenta o voluntariado local e a gestão do núcleo. Atualmente as entregas são realizadas mensalmente, no Sítio Arte da Terra, Rua Santa América, 350 contando com a hospitalidade do Casal Eliane Velozo e Domênico.

As pessoas envolvidas tem uma atuação de destaque em uma horta coletiva e na prática da compostagem no local de entregas. Também atuam na Feira da Roça Agroecologia e Cultura que funciona no Largo de Vargem Grande. Fazem a defesa política da agricultura local através da criação do Plano Popular das Vargens e da parceria cotidiana com a Agrovargem que passa agora a se chamar Associação de Agroecologia de Vargem Grande.


Sumá – Rede de Consumo Responsável (Itaipava)

Local: APA de Petrópolis – Estrada União e Indústria, 9722 (ao lado do Corpo de Bombeiros)

Entrega mensal em um sábado de 9h às 12h, exclusivamente de produtos secos. As compras de frescos ocorrem com produtores locais.

E-mail:  contato@redesuma.com.br

 

O então “núcleo Itaipava” surgiu em 2013, fruto de uma parceria mais antiga com a Rede Ecológica no acompanhamento da certificação orgânica dos produtores do Brejal. Somou-se à Feira Ecosolidária da APA que acontecia todos os sábados na sede dessa instituição em Itaipava, e desde então veio se desenvolvendo com o objetivo de reforçar a inclusão de produtos locais. O núcleo começou seu processo de regionalização no início de 2016 começando a fazer alguns pedidos de forma independente, processo esse que foi consumado em janeiro de 2017. A partir daí o grupo adota um novo nome, Sumá – Rede de Consumo Responsável – e volta-se para o fortalecimento de seu papel enquanto ação da APA, que é o de fortalecer a produção e o consumo consciente locais. Continua afiliado à Rede Ecológica, com a qual mantém a afinidade ideológica, a participação na comissão gestora e uma logística comum para a compra de certos produtos.