Roda de Conversa sobre a Produção de Feijão Agroecológico do Coletivo Terra - dia 11 jan - 2a f - às 18h

A distribuição dos cadernos ecológicos começou!

Texto de Bibi Cintrão:

Na semana passada ficaram prontos os primeiros 50 cadernos ecológicos de receitas “Comida de Verdade, no Campo e na Cidade”. Foram entregues no sábado dia 5/dez para os cestantes da Rede Ecológica que fizeram a compra através do sistema de pedidos. Não foi possível terminar antes do natal os 100 exemplares que serão distribuídos gratuitamente para famílias que estão recebendo as cestas agroecológicas. Serão entregues apenas em 2021. As vendas do caderno, a um preço 50% acima do custo, ajudam a financiar os cadernos que serão distribuídos.

Este Caderno de Receitas foi feito para a Campanha Campo e Favela de Mãos Dadas Contra o Coronavírus e a Fome, da Rede Ecológica e parceiros. Ele é voltado especialmente para as famílias que estão recebendo as cestas, com linguagem simples e com receitas que priorizam os alimentos produzidos próximos, favorecendo os circuitos curtos de produção e comercialização e nossa soberania alimentar. A proposta do Caderno é fortalecer um dos objetivos da Campanha que é incentivar o consumo de comida natural, sem venenos nem aditivos e conservantes, feita em casa com alimentos frescos produzidos em locais próximos.

Seguindo orientações do Guia Alimentar para a População Brasileira, o caderno explica o que é a “comida de verdade” e os problemas dos alimentos ultraprocessados. Traz ideias e receitas para aproveitar ao máximo os alimentos e evitar o desperdício. Traz receitas de caldos naturais, dicas de “temperos de verdade” para substituir os sabores e aromas artificiais. Valoriza as “nossas raízes” – aipim, inhame e batata-doce – tubérculos tropicais ancestrais, que podem substituir o trigo e a batatinha inglesa, menos adaptados a climas quentes. Traz receitas com as PANCs-Plantas Alimentícias Não Convencionais, nutritivas e fáceis de cultivar, ótima opção para o plantio nos quintais em hortas urbanas. E incentiva a produção de alimentos na cidade, fortalecendo a agricultura urbana, outra forma de termos comida barata, saudável e próxima.

O caderno foi fruto de um rico trabalho coletivo e voluntário. O texto foi preparado pela comissão de cozinha da Rede Ecológica, em parceria com CEM – Centro de Integração na Serra da Misericórdia, FAG – Fundação Angélica Goulart e “SIM!, eu sou do meio”, com participação de Ana Santos, Ana Paula Rodrigues, Bibi Cintrão, Débora Debrochinski, Denise Gonçalves, Miriam Langenbach, Rita Scheel. Os cestantes do Núcleo de Santa Teresa, Erika Martins e Ricardo Galhardo, fizeram respectivamente a diagramação e as ilustrações. A artista plástica Jac Carrara ajudou com a proposta de encadernação e o apoio ao grupo de Artesãs TATI, da Cooperativa de Reciclagem Comunitária Nossa Senhora do Carmo – a Coopcarmo – de Mesquita. As mulheres receberam um pagamento pela montagem e fornecimento do papel reaproveitado para a capa e páginas não impressas, o que gerou uma renda para elas.

Uma notícia da montagem foi colocada no Facebook delas.

 

Novos avanços rumo ao lixo/plástico zero

Texto de Thais Schneider

Marc-e-NicoleCom o propósito de eliminar gradativamente o uso de embalagens plásticas descartáveis, colaborando assim com os fundamentos da Rede, os produtores Nicole e Marc, do Sítio Quaresmeiras, voltaram a utilizar sacos de papel para separar as porções de produtos, como o alho, que estavam vindo em redes de plástico. O sítio também já vem trabalhando com outras medidas para o reaproveitamento de materiais e redução de descarte no embrulho dos produtos, usando capim para acolchoar as frutas mais delicadas, como pêssego, figo e goiaba (este capim pode ser utilizado para compostagem, é excelente material!).

Esses são cuidados simples, porém, muito significativos, que já estão ao alcance no momento. Como diz Nicole: “Aprecio muito esta iniciativa, pois às vezes não custa muito mudar”.